Dancers & Dogs

20189-header_kailaangus_1200_675_75

Na minha opinião, um cãozinho tem o poder de fazer qualquer coisa mais carismática. Junte, então, ballet com cachorros e você tem a fórmula infalível para chamar a minha atenção. Combinação improvável? Não para Kelly Pratt e Ian Kreidich, um casal de fotógrafos que, em 2017, começou a colocar em prática uma ideia inusitada: fazer fotos de bailarinos com cães.  Continuar lendo “Dancers & Dogs”

A elegância do ouriço

“A sra. Michel tem a elegância do ouriço: por fora, é crivada de espinhos, uma verdadeira fortaleza, mas tenho a intuição de que dentro é tão simplesmente requintada quanto os ouriços, que são uns bichinhos falsamente indolentes, ferozmente solitários e terrivelmente elegantes.”

img_7841

Renée Michel é a concierge do número 7 da Rue de Grenelle, um prédio luxuoso de Paris, habitado por pessoas ricas e esnobes, que veem a zeladora apenas como isso: uma zeladora, claramente inferior aos moradores do local, sem classe nem inteligência. E é assim também que Renée se esforça para parecer: “sou viúva, baixinha, feia, gordinha, tenho calos nos pés e, em certas manhãs autoincômodas, um hálito de mamute. Não estudei, sempre fui pobre, discreta e insignificante. (…) Como raramente sou simpática, embora sempre bem-educada, não gostam de mim, mas me toleram porque correspondo tão bem ao que a crença social associou ao paradigma da concierge”. Continuar lendo “A elegância do ouriço”

Sete minutos depois da meia-noite

Sete-minutos-depois-da-meia-noite

Aqui estava eu, no último fim de semana, procurando algo na Netflix. Queria uma coisa leve e divertida; até comentei com o meu namorado que “não estava no clima de filme triste”. Lembramos, então, de um longa que vimos o trailer uns anos atrás, mas que acabamos não assistindo. Eu não me lembrava da história, mas na minha cabeça era um filme de fantasia e parecia encaixar bem no que eu queria para aquela tarde. Grande engano. Continuar lendo “Sete minutos depois da meia-noite”

Ser bailarina

img_3758

Disciplina, comprometimento, persistência e muito esforço escondidos atrás de uma aparência de leveza e delicadeza. Não é fácil, são anos e anos de treino em busca de uma perfeição que nunca será alcançada.

É dor, é cansaço, é frustração porque aquele passo não sai como você quer.

Mas é também força, expressão, fluidez, movimento, realização. É felicidade ao subir em um palco, encantar o público e sentir que todo o empenho valeu a pena. Continuar lendo “Ser bailarina”

Olhos de gato

olhos-de-gato

Olhos de gato é um anime de romance e fantasia, com direção de Jun’ichi Satô e Tomotaka Shibayama, que estreou na Netflix este ano. Na história, Miyo Sasaki é uma menina alegre, extrovertida, que não se preocupa com o que os outros pensam de si (e um pouco irritante, para ser sincera). E, é claro, apaixonada. O alvo do seu amor é Kento Hinode, seu colega de sala, que ao contrário dela, é reservado e prefere não chamar a atenção. Embora a relação entre eles seja bem desconfortável – afinal, Miyo acaba sempre por fazer o menino passar vergonha entre seus colegas da escola, ao passo que ele tenta ignorá-la -, a garota possui um segredo: uma máscara especial, fornecida a ela certa vez por um misterioso gato mágico, que faz com que ela se transforme em um felino toda vez que a usa.  Continuar lendo “Olhos de gato”

Quem é você, Alasca?

“Não devemos perder a esperança, pois jamais seremos irremediavelmente feridos. Pensamos que somos invencíveis porque realmente somos. Não nascemos, nem morremos. Como toda energia, nós simplesmente mudamos de forma, de tamanho e de manifestação.”

“Como sairemos deste labirinto de sofrimento?” Essa é a pergunta para a qual Alasca constantemente busca uma resposta. Mas, embora este livro seja sobre Alasca, não é ela que nos guia pela história – mas, sim, Miles Halter (ou, como seus amigos o chamam, Gordo). Sem amigos em sua cidade natal, Gordo decide mudar para um colégio interno chamado Culver Creek, em busca do que o poeta François Rabelais chamou, em suas últimas palavras, de o Grande Talvez.  Continuar lendo “Quem é você, Alasca?”

Girl

Girl_-_PôsterO mundo do ballet clássico já é extremamente competitivo e cheio de cobranças – a busca pela perfeição (ainda que impossível) faz parte da trajetória de uma bailarina. É nesse contexto que se insere a história de Lara, protagonista do filme belga Girl, que venceu os prêmios Caméra d’Or e o Queer Palm no Festival de Cannes de 2018. No entanto, não é apenas com piruetas perfeitas que Lara se preocupa – bem pelo contrário. Ela é uma adolescente transexual, que encara a espera pela sua cirurgia de confirmação de gênero, enquanto também lida com a vida em uma nova escola – uma grande academia de dança – e luta para conseguir realizar o seu sonho de ser uma bailarina profissional.  Continuar lendo “Girl”

Homens sem mulheres

“Um dia, de repente, você vai ser um dos homens sem mulheres. Esse dia chegará subitamente, sem nenhum aviso prévio nem sinal, sem premonição nem pressentimento, sem uma tosse que seja ou uma batida na porta. Ao virar a esquina, você vai descobrir que já está ali. Mas não poderá voltar atrás.

81TG8siC8KLHaruki Murakami é considerado um dos principais nomes da literatura japonesa atual, tendo suas obras traduzidas para mais de 50 idiomas. Já li alguns títulos do autor, como Norwegian Wood e a famosa trilogia 1Q84. Mas hoje venho falar de Homens sem mulheres, livro que mostra a habilidade do escritor com os contos, reunindo sete narrativas – todas com um aspecto em comum: contam as histórias de homens solitários, que, de alguma forma, perderam as mulheres que amavam.  Continuar lendo “Homens sem mulheres”

Morte Súbita

“You must accept the reality of other people. You think that reality is up for negotiation, that we think it’s whatever you say it is. You must accept that we are as real as you are; you must accept that you are not God.”

Sou daquelas que cresceu com Harry Potter. Como muitos integrantes da chamada Geração Y, entrei no universo de Hogwarts antes dos meus 11 anos e devorava os livros à medida em que eles eram lançados. Devo dizer que o vício persiste até hoje. Portanto, quando foi lançada uma obra voltada para o público adulto escrita por J.K. Rowling, lá em 2012, me animei imediatamente. Afinal, em Morte Súbita, eu poderia conhecer suas habilidades com as palavras no mundo dos trouxas. Continuar lendo “Morte Súbita”

A menina que roubava livros

“Eis um pequeno fato: Você vai morrer.

Com absoluta sinceridade, tento ser otimista a respeito de todo esse assunto, embora a maioria das pessoas sinta-se impedida de acreditar em mim, sejam quais forem meus protestos. Por favor, confie em mim. Decididamente, eu sei ser animada, sei ser amável. Agradável. Afável. E esses são apenas os As. Só não me peça para ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo.”

catalogo_gDesde que foi lançado, em 2005, A menina que roubava livros já recebeu diversos prêmios e ficou mais de 375 semanas na lista de mais vendidos do New York Times, além de ter sido adaptado para o cinema em 2013 (filme que eu não assisti, porque queria ler o livro primeiro). Mas eu só arranjei tempo e disposição para conhecer a história de Liesel agora, há cerca de um mês.  Continuar lendo “A menina que roubava livros”